Todos nós sabemos que vivemos em um país com grande desigualdade social, que tem como consequência, entre outras coisas, o aumento da violência.

E, claro que ninguém quer ter o seu patrimônio ou a segurança de sua família em risco.

Além de roubos e furtos, existem outros perigos que podem afetar a segurança de um imóvel, como incêndios, alagamentos e desabamentos.

Calma, esse texto não é uma propaganda sobre seguro residencial, mas para mostrar para você como as novas tecnologias melhoram a segurança da sua residência.

Fechadura digital

A fechadura digital pode funcionar através de senha, leitura biométrica de digitais e as mais modernas e caras, podem ter leitura de íris através de infravermelho.

Geralmente os modelos mais vendidos têm alguma combinação entre a leitura biométrica ou de íris, juntamente com o sistema de senhas, para que pessoas que não tenham sua biometria ou íria cadastrada e precisem acessar o imóvel, o possam fazê-lo através de senha.

Sensor de vazamento de gás

Engana-se quem acha que o maior perigo do vazamento de gás de cozinha são explosões e incêndios.

Embora esse seja um risco que não deve nunca ser ignorado, o maior perigo de vazamentos de gás de cozinha é a intoxicação e asfixia.

O gás, naturalmente não tem cheiro, mas é adicionado um componente químico chamado mercaptano, que tem odor forte e desagradável, justamente para facilitar a percepção de algum vazamento e garantir mais segurança aos moradores.

Porém, para uma maior segurança, atualmente existem sensores que detectam o vazamento de gás, emitindo um alarme sonoro, para que os moradores possam tomar as devidas providências, como abrir as janelas e fechar a fonte do gás.

Câmeras de segurança e alarmes

Ok, sabemos que câmeras de segurança e alarmes não são nenhuma novidade tecnológica, mas as câmeras estão cada vez mais potentes e com imagens mais nítidas, mesmo as que filmam no escuro.

O que tem de novidade são câmeras que funcionam com sensor de movimento e podem acompanhar a movimentação de intrusos, sistemas interligados com centrais de segurança que podem acionar a polícia, caso algum comportamento suspeito ou disparo de algum alarme aconteça.

Possibilidade de travar e destravar portas através de aplicativos, ver em tempo real na tela do seu smartphone o que acontece na sua casa e até mesmo uso de um botão de pânico ou falar algumas palavras que acionam automaticamente a central de segurança que começa a acompanhar as imagens das câmeras e gravar o áudio do ambiente.

Sensor de fumaça, calor ou chama.

Esse tipo de sensor também não é muito novo, mas os que detectam fumaça, calor ou a luz emitida pela chama refletida no ambiente através de objetos e emite o alarme é algo relativamente mais moderno.

Basta que o sensor detecte uma das três alterações no ambiente para entrar em funcionamento, que pode ser só o disparo sonoro, como também pode avisar ao proprietário através de aplicativo e centrais de segurança, caso a residência seja monitorada.

Esse sistema de sensor, quando ligado ao sistema de sprinklers, emite o alarme, ao mesmo tempo que começa a jorrar água pelos canos devidamente instalados pelos tetos de cada cômodo.

Sensor de presença

O sensor de presença pode funcionar tanto para o acionamento e desligamento de lâmpadas, fazendo com que haja economia de energia, como também pode ser acionado para disparar alarmes ou ligar câmeras de segurança.

Abertura automática de portões de condomínios para moradores

Esse sistema pode funcionar com uma tag instalada no vidro, similar às que são usadas atualmente para quem tem passe livre em pedágios ou com câmeras que fazem a leitura das letras e números do carro do morador e abrem automaticamente o portão, evitando que moradores fiquem aguardando que o porteiro os identifique e abra o portão ou tendo que carregar controles remotos consigo.

Portaria blindada ou remota

Foi-se o tempo que o porteiro era aquele senhorzinho simpático que ficava batendo papo na porta do prédio e sabia o nome dos moradores, do dono da banca de jornal e dos porteiros dos prédios ao lado.

Atualmente, porteiros de condomínios precisam lidar com monitores, câmeras, portarias blindadas, sistema de “curral” para entrada de carros e pessoas e até portaria remota.

Para lidar com essas novas tecnologias, muitos profissionais recorrem a um curso de porteiro e vigia para se atualizarem e estarem aptos para atuar nesse “novo” mercado.

Com câmeras eficientes e sistemas de microfone e captação de som de grande sensibilidade, a portaria nem mesmo precisa ficar na entrada do prédio ou condomínio. Em alguns casos, ela nem mesmo fica no local.

São sistemas de monitoramento remoto, que gravam e identificam a entrada de moradores e visitantes, assim como autoriza ou barra a entrada de pessoas, mesmo estando em uma central a quilômetros de distância.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *