Atualmente, um dos segmentos que mais cresce em comunhão com a construção civil é o do ecologismo e da consciência ambiental como um todo. Essa área tem várias frentes de atuação possíveis e, graças a isso, pode receber vários nomes distintos.

O termo engenharia ambiental é mais aplicado à disciplina que forma os profissionais que atuarão nessa área, os quais, aliás, estão sendo cada vez mais requisitados pelo mercado.

Como a construção civil e a engenharia civil estão em constante crescimento, as grandes empreiteiras e construtoras em geral precisam estar sempre em dia com as tecnologias, inovações e regulamentações do setor. O mesmo se aplica aos próprios engenheiros e projetistas da área.

Quando se fala em gestão ambiental, geralmente se remete à aplicação dessa disciplina. Ou seja, a relação do profissional da área com as empresas e indústrias que carecem desse tipo de serviço.

Sendo que, cada vez mais, as grandes empresas e mesmo o empreendedor individual precisam preocupar-se com esse tipo de informação.

Essa relação de trabalho e de conhecimento inclui os seguintes pontos mais comuns:

  • Os valores ecológicos e o crescimento urbano;
  • Os valores ecológicos e a expansão industrial;
  • A visão ambientalista e as políticas governamentais;
  • Os recursos naturais e a gestão de uso sobre eles;
  • A sociedade, o meio ambiente e a economia, etc.

Confira adiante exemplos mais pontuais de alguns segmentos que têm crescido nessa área.

Como funciona o tratamento de efluentes?

Um exemplo bastante ilustrativo da importância da ecologia e do ambientalismo diz respeito à famosa atuação de uma ETE estação de tratamento de efluentes.

Essas estações são responsáveis por operar nada menos que o tratamento, ou seja os processos de limpeza e purificação dos efluentes utilizados pelas residências e empresas a fim de que, uma vez utilizados pelo ser humano, eles retornem para o meio ambiente.

Naturalmente, há vários tipos de estações, ou várias sessões de tratamento dentro de uma mesma estação. A divisão mais básica diz respeito justamente ao tipo de efluente: existem os efluentes domésticos e os industriais.

Usa-se o termo “efluentes” pois esse tratamento inclui tanto os líquidos quanto os resíduos gasosos.

O serviço que será prestado após o uso dos efluentes varia bastante. Em casos de resíduos oriundos das redes domésticas a presença geral de contaminantes e a “carga poluidora” costuma ser sempre de um nível bastante similar.

Já nos caso das indústrias a carga tóxica varia em conformidade com o setor e tipo de produção de cada empresa. Aí é que entra o papel do supracitado engenheiro ou gestor ambiental.

Em todos esses casos, o que temos são várias etapas de tratamento, geralmente conhecidas do seguinte modo:

  • A fase de pré-tratamento;
  • O tratamento de tipo primário;
  • O tratamento de tipo secundário;
  • O tratamento com lodo em reatores;
  • O tratamento de tipo terciário;
  • A finalização dos processos químicos.

Tudo isso visa a garantir que os efluentes estejam suficientemente purificados para que retornem ao meio ambiente e, no caso dos líquidos, às redes de distribuição de água para as residências e empresas da região.

Impacto de vizinhança e monitoramentos típicos

Outros exemplos de atuação do engenheiro ou gestor ambiental podem dizer respeito a questões mais estruturais da própria engenharia civil enquanto setor de construção e reformas que lida com edificações de todos os tipos e grandezas.

É o caso do Estudo de Impacto de Vizinhança, também conhecido pela sigla EIV, e diretamente relacionado à sigla RIV, que significa Relatório de Impacto de Vizinhança.

Trata-se de uma relação complexa que ocorre entre uma parte interessada em construções, ampliações ou mesmo reformas de certos tipos e o Poder

Público de uma determinada cidade ou federação. Essa comunicação é muito técnica e, justamente por isso, precisa dos mediadores que são os engenheiros da área.

Leva-se em conta, nesses casos, qual será a ocupação do solo, os equipamentos aplicados e se a região é de interesse paisagístico e ambiental, ou mesmo histórico e cultural.

Uma atividade ligada à do EIV é a do monitoramento de ruído ambiental, que remete a um processo indispensável e autoexplicativo: ele controla a poluição sonora emitida por uma construção ou reforma.

Esse exemplo é importante pois, ao contrário do que se pensa, tal problema já não diz respeito apenas às cidades grandes, uma vez que a construção civil tem se expandido a passos largos e hoje mesmo as cidades mais afastadas acabam sendo impactadas pelo crescimento geral do país.

O que, naturalmente, requer uma série de cuidados, como os citados anteriormente. Lembre-se disso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *